sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Biografia chei de (Des)Elegância



Biografia chei de (Des)Elegância


No mei desse roçoiço nem sei se há
uma pessoa que seja eu sozinha;
Sou a terra, o céu e o mar,
um grão de areia, qualquer besteirinha;
Aquela pedra rídiga, eternamente dura,
água que flui e nada para;
Um mesmo que sempre se renova,
um novo que em verdade num inova.
E percorre, estático, toda existência
enquanto beija o que o preconceito distancia;
Procurando por todo lado aquele ponto
que une o ontem, o hoje e o amanhã;
Ao 0, o 26 e o 168
sem cair em brocardos de filosofia vã.

No mei desse roçoiço nem sei se há
uma pessoa que seja eu sozinha;
Não sou bixo, homem ou outra coisa lá,
um gênero, uma escolha, uma sopa de letrinhas;
Se sou carne que fala e pensa,
sou espírito preso na cela;
Firmeza que fica, não passa,
a chave que abre e que fecha;
Sou restos da estrela amarela,
o amor que te encontra e nunca deixa.
E dentro do cristal que não mascara,
sou também ódio justo e anárquico;
que de toda destruição edifico
em caos a paz que tanto nos é cara.
Um eu, um nós, uma multiplicidade,
uma coruja a ver luz na escuridão;
O sábio burro em sua vaidade,
lagartixa que peita a Ilusão;
Abandona vícios na estrada da Verdade,
renasce na virtude de cada limpeza;
E sustenta passo a passo o traço certo
relegando toda rima a moratória;
Se vou viver de poesia, pescarei versos na memória
e girarei este mundo que tanto em gira;
Na malemolência sincera do sorriso,
pois não sou sapo para ser cheio de sapiência;
E sei que só no vazio tudo se leva no papo.
Por mais sedento que meu estômago seja
quase nada me serve refeição;
Vivo a experimentar dores e sofreres,
mas só me sacio em prazeres e comunhão;
Dançando cada momento para não deixar cair em rotina
o tesão que é ser brasileiro; e ter na alma de minha língua
o poder de sentir o bater da Saudade.

No mei desse roçoico nem sei se há
uma pessoa que seja eu sozinha;
Sou Cabóco, Rei, Potiguá,
me chamam João Ruazinhas.


Sono the Idle, 20 de outubro de 2011.


Esse texto foi feito para o Aniversário de Igor Lucena, o indivíduo que está na foto comigo, como um presente muito chibata que eu resolvi dar para ele!

3 comentários:

  1. esse texto é uma chibatada no juízo mesmo... quero um desse no meu niver :(

    ResponderExcluir
  2. Sensacional...
    Kimba e Malukim

    ResponderExcluir